Início Política Marina afirma que impeachment de Bolsonaro é ato de “legítima defesa”Ela chama...

Marina afirma que impeachment de Bolsonaro é ato de “legítima defesa”
Ela chama o presidente de ovo criado pelo PT e PSDB

173
0

A ex-senador, ex-ministra e ex-candidata à presidente Marina Silva, deu uma longa entrevista ao site UOL nesta quarta, e saiu atirando para todo lado. Sobrou para Bolsonaro, PT, PSDB e Sérgio Moro. “O impeachment é ato de legítima defesa. O Supremo, o próprio Ministério Público estão bem atentos. Até as Forças Armadas. O que eu entendi é que as próprias Forças Armadas desautorizaram os arroubos e devaneios do presidente da República. Bolsonaro é um presidente que, o tempo todo, é desautorizado”.

Marina disse que Bolsonaro é uma cria do PT e do PSDB. “Mesmo assim, eu não tenho raiva. Eu sinto dor pelo que aconteceu. Eles [PT e PSDB] decepcionaram de tal forma, que acabaram chocando esse ovo terrível que se chama Bolsonaro”.

A ambientalista também disse que Bolsonaro é um desastre com relação ao coronavírus. “Ele passou de todos os limites. Uma pessoa que depois que tivemos a notícia de mais de 5 mil mortes diz ‘e daí?’, como presidente da República, é a coisa mais afrontosa que já vi na minha vida”

DILMA É A MÃE DAS FAKE NEWS

Marina afirma que Dilma Rpussef é a mentora da era das fake news e a criadora do “gabinete do ódio” de que tanto se atribui a Bolsonaro. As duas estiveram juntas no governo de Lula.  “Quando ela [Dilma] foi para a Casa Civil, tivemos divergências, mas nada mais do que isso. Tivemos um debate civilizado. Mas em 2014, a campanha da Dilma inaugurou as fake news. Eles tiveram algo similar ao ‘gabinete do ódio’. Quem inaugurou as fake news foram Dilma e João Santana. Isso está mais do comprovado”

MORO ENFRAQUECIDO

Quanto a Sergio Moro, Marina afirma que ele perdeu moral quando foi para o lado de Bolsonaro. “O Moro decepcionou uma grande quantidade de brasileiros. Ele fazia um grande trabalho, com o trabalho na prática de combate a corrupção. Mas terminaram as eleições e aceitou entrar na política. Ele estava fazendo um trabalho, que investigou empresas, empresários, políticos. No meu entendimento, o trabalho dele foi enfraquecido quando aceitou servir a Bolsonaro.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui