Início Cidade FVS descarta 12 casos considerados suspeitos de ‘urina preta’ no AM 

FVS descarta 12 casos considerados suspeitos de ‘urina preta’ no AM 

172
0

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP) divulga a atualização do cenário epidemiológico de rabdomiólise no Estado. Até esta quarta-feira (15/09), foram registrados 66 casos suspeitos da síndrome, sendo 54 em investigação epidemiológica em nove municípios do Amazonas e 12 descartados da suspeição.

Dos 54 casos em investigação, são 33 em Itacoatiara, 6 em Parintins, 4 em Urucurituba, 3 em Manaus, 3 em Silves, 2 em Maués, 1 em Autazes, 1 em Caapiranga e 1 em Manacapuru. Seguem internadas 4 pessoas suspeitas, sendo 1 em Urucurituba, 2 em Parintins e 1 em Itacoatiara.

De acordo com a diretora técnica da FVS-RCP, Tatyana Amorim, a investigação acerca dos casos suspeitos de rabdomiólise é extremamente criteriosa, devido à síndrome ter diferentes causas além da ingestão de peixes.

“Rabdomiólise pode ser causada, também, por atividade física excessiva, consumo de álcool e outras drogas. Por isso, é importante que haja essa investigação rígida para que possamos chegar aos casos suspeitos pela ingestão do pescado”, aponta.

Os casos estão sendo monitorados pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da FVS-RCP (CIEVS/FVS-RCP), em parceria com as equipes de Vigilância Epidemiológica municipais, para classificar os casos que realmente atendem à definição de suspeitos para rabdomiólise.

Segundo a coordenadora do CIEVS/FVS-RCP, Liane Souza, a rede de Vigilância em Saúde está extremamente sensível a possibilidades de casos de rabdomiólise. De acordo com Liane, como o peixe é um alimento muito consumido no Amazonas, e o Estado enfrenta surto, casos com algumas características de rabdomiólise são registrados como suspeitos.

“O nosso trabalho, enquanto CIEVS estadual, é analisar com uma lupa todos os casos e, por isso, há os casos que, muitas vezes, foram informados como suspeito e, após investigação, foram descartados”, afirma Liane, coordenadora do CIEVS/FVS-RCP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui