Início Destaque Justiça prorroga prisão dos envolvidos na Operação SangriaMais tempo presos

Justiça prorroga prisão dos envolvidos na Operação Sangria
Mais tempo presos

103
0

Os cinco presos na segunda fase da Operação Sangria em Manaus ficarão mais tempo na cadeia. A Polícia Fedeal pediu e a Justiça atendeu, prorrogando por mais cinco dias o tempo de penitenciária. Continuarão no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM)  o ex-secretário de Saúde Rodrigo Tobias de Souza Lima, o engenheiro clínico Ronald Gonçalo Caldas Santos, o empresário e esposo da ex-secretária de Comunicação Daniela Assayag, Luiz Carlos Avelino Júnior, e o empresário Gutemberg Leão Alencar.

O Ministério Público Federal (MPF), a Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União deflagaram no dia 8 os mandados de prisão temporária. As medidas cautelares, que incluem o sequestro de bens e valores dos investigados, foram determinadas pelo ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e requeridas pela subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo. A segunda fase da operação tem o intuito de aprofundar a apuração sobre uma organização criminosa instalada no governo do Amazonas com o objetivo de desviar recursos públicos destinados a atender às necessidades da pandemia de covid-19. Os investigados são suspeitos de práticas como peculato, lavagem de dinheiro e também de promover a dispensa de licitação fora das hipóteses previstas em lei.

Procuradora Lindora

O vice-governador, Carlos Alberto (PTB), também foi  alvo das buscas. Contra outro investigado, apontado como homem de confiança do governador Wilson Lima (PSC), foram expedidos mandados de busca e apreensão, mas também de prisão temporária por cinco dias. De acordo com as investigações, esse homem teria sido destacado pessoalmente pelo governador para intermediar as aquisições fraudulentas de respiradores e financiá-las, tendo sido responsável por indicar a loja de vinhos que vendeu os aparelhos ao estado. Os nomes dos investigados que não têm foro por prerrogativa de função devem ser mantidos sob sigilo, a pedido do STJ, assim como os autos desta segunda fase da operação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui