Início Cidade David Almeida inaugura mural e pede “perdão” aos índios por séculos de...

David Almeida inaugura mural e pede “perdão” aos índios por séculos de massacre

39
0
Fotos: Divulgação

MANAUS, AM – O prefeito David Almeida inaugurou na praça Dom Pedro II, localizada no centro histórico, marco zero da capital, a Aldeia da Memória Indígena de Manaus. Com um pedido de perdão, na noite desta  segunda-feira, 19, o mural de 34 metros foi feito a partir de imagens de livros.

“Às margens do rio Negro, onde nasceu a cidade de Manaus, aos povos indígenas, peço perdão histórico com esse reconhecimento após 351 anos. Desde 1542, quando aqui chegou o primeiro homem branco, vocês já estavam aqui. O que é de vocês, retorna como forma de reconhecimento pelo poder público municipal”, enfatizou Almeida.

Durante a cerimônia realizada em frente ao Museu da Cidade de Manaus, David Almeida relembrou que o local onde hoje está a praça Dom Pedro II, antes era um cemitério indígena. “Quero frisar a importância deste evento simbólico. Nós precisamos conhecer a nossa cidade. Isto aqui é um lugar sagrado, isto aqui é uma necrópole de Manaus. Quando Francisco de Orellana, que descia o rio Amazonas, vindo do Peru, passou por aqui, já estavam os barés, tarumãs, os manaós, povo guerreiro. Esse lugar era um cemitério indígena. Manaus é uma cidade nascida dos povos indígenas e vamos fazer esse reconhecimento com esse memorial”, concluiu.

Leia mais: Prefeitura confirma calendário de vacinação contra a Covid para esta semana; confira seu dia 

Mural

Além do memorial, também foi entregue um mural de 34 metros, pintado pelo artista Fábio Ortiz, com quatro imagens retiradas de livros históricos: o mapa das calhas dos rios; o guerreiro Ajuricaba; os manaós e o cemitério indígena na visão do colonizador.

O presidente do Conselho Municipal de Cultura (Concultura), Tenório Telles, salientou a importância de respeitar o solo sagrado da praça próximo ao marco zero de Manaus e homenageou os povos indígenas com o poema “A vida verdadeira”, do poeta Thiago de Mello. “Não tenho caminho novo. O que tenho de novo é esse jeito de caminhar. Que nós possamos, a partir de hoje, caminhar de uma forma diferente, com mais tolerância, solidariedade, fraternidade, liberdade e acolhimento”, citou.

 

Marco

O diretor-presidente da Fundação de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Alonso Oliveira, fez questão de agradecer ao apoio dado pelo prefeito David Almeida, que abraçou a ideia de reconhecer o local como solo sagrado indígena.

“Ao prefeito, nosso reconhecimento pelo seu apoio a este momento histórico de nossa cidade. Que este momento seja um marco de uma nova etapa para a história de Manaus. Aos nossos irmãos indígenas, contem com o nosso apoio, nosso trabalho e dedicação, para esse resgate da memória histórica de nossa cidade e de nossa ancestralidade. Vamos trabalhar para tornar realidade um sonho que estamos vivendo hoje”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui