Início Destaque “Nós fomos à igreja e na volta ele me prendeu pra...

“Nós fomos à igreja e na volta ele [pai] me prendeu pra dormir”, diz criança para delegada em Manaus
"Pai e madrasta se revezavam na tarefa de acorrentá-lo, como se isso já fizesse parte da divisão de tarefas diárias para que ele não mexesse no leite e no iogurte da irmã mais nova durante a noite"

1373
0
Foto: Divulgação

MANAUS, AM – As sequências de imagens (em baixo) que você vai ver é de cortar o coração. Um menino de nove anos foi resgatado de um pesadelo nesta segunda-feira (6), depois de uma denúncia anônima informando que em uma casa na Comunidade Novo Reino, bairro Gilberto Mestrinho, Zona Leste da cidade, havia uma criança sendo acorrentada e torturada diariamente pelo pai e madrasta.

Agentes da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente se encaminharam para o endereço relevado e confirmaram a veracidade dos fatos. Lá estava o menino, desnutrido, machucado e muito assustado.

De acordo com a delegada Joyce Coelho, o pai afirmou em depoimento que acorrentava a vítima para que ele não comesse o iogurte e nem urinasse na cama da irmã mais nova.

“O pai do menino alegou que ele era intolerante a lactose e não poderia comer derivados de leite, o que o motivava a acorrentá-lo durante a noite”, contou a delegada.

Ainda conforme a autoridade policial, a criança foi ouvida na Depca e informou que sofria as agressões, mas não contava para ninguém fora do âmbito familiar, pois tinha medo de ser espancada, o que ocorria de forma frequente.

“O menino foi morar com o pai após a separação, e há quatro anos não tem informações do paradeiro dela. Além do menino, mais duas crianças moravam com eles, uma menina de oito anos, filha da madrasta e uma bebê de dois anos, filha do casal.

“Durante o depoimento, o menino pediu alimento para a equipe policial, pois estava com fome e em estado de desnutrição, além de possuir diversos hematomas pelo corpo”, relatou Joyce.

Na unidade policial, a madrasta afirmou não gostar de criança, e quando o pai não estava em casa, era ela quem acorrentava o menino. A vítima foi encaminhada para um abrigo institucional, já as outras duas crianças estão sob a responsabilidade de uma avó.

CRUELDADE 

Nas redes sociais, a autoridade policial relatou a situação que a criança enfrentava na ‘casa do terror’.

“Ambos se revezavam na tarefa de acorrentá-lo, como se isso já fizesse parte da divisão de tarefas diárias. Segundo a criança, era um castigo para que ele não mexesse no leite e no iogurte da irmã mais nova durante a noite. E ali naquele cantinho, resiliente, ele adormecia, urinando ali e às vezes chorando pelas dores das surras diárias que produziam inúmeras lesões no seu corpo frágil e desnutrido.”

Foto: Rede social

 

O casal de 32 e 23 anos foram presos em flagrante e devem responder pelos crimes de tortura. Eles serão encaminhados à audiência de custódia na Central de Recebimento de Triagem, onde ficarão à disposição da Justiça.

*Matéria atualizada às 14h para introdução de novos fatos. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui